Wednesday, 1 March 2017

Este tempo em que o ultraje é o principal mecanismo de amplificação de mensagens ultrajantes

Um fadista de boa voz mas duvidoso talento escreveu na sua pagina de facebook um comentário racista, homofóbico, e ignorante (passe a redundância). O pessoal reagiu revoltado, ultrajado, levando o autor do comentário inicial a nova posta, desta vez com leitores em número multiplicado, insultando os que o criticarem de não serem tolerantes com a sua opinião. O Público publicou um texto sobre a "notícia", citando uma entrevista à revista Flash onde o fadista confirma o seu racismo e homofobia dizendo que as reacções provêm de pessoas que "saltam dos armários ou saltam das cubatas".
Ora a única coisa que se ganhou com esta polémica foi ficar a saber que o fadista João Braga é também um idealista nostálgico que sonha com um tempo em que os negros viviam em cubatas e os homossexuais tinham de esconder a sua sexualidade em 'armários' secretos. É muito pouco ganho para a disseminação da sua mensagem que as reacções provocaram. Não se espera que a formalização das queixas traga qualquer sanção de efeito substantivo. Também não é provável que provoque algum acto de introspecção do fadista ou daqueles que, agora com maior probabilidade, possam  entrar em contacto com a sua peculiar perspectiva sobre escravatura, relações raciais, liberdade sexual, e liberdade de expressão.
Mas mesmo assim é irresistível escrever, reagir, e ao fazê-lo, partilhar, multiplicar audiências, e transportar uma perspectiva odiosa, anti-humanista e insidiosa para partes da esfera pública onde ela pode encontrar forma de germinar. Com é intrincado este dilema do tempo em que o ultraje se torna o principal aliado do ultrajante.

The History of Words

Before words, each person's thoughts could develop freely without the intervention of strangers’. If someone liked an other, a warm gest...